Com queda de 27,1% em setembro, número de roubos de veículos no RS é o menor da série histórica

Com queda de 27,1% em setembro, número de roubos de veículos no RS é o menor da série histórica

Um dos crimes que mais impactam na sensação de segurança da população, o roubo de veículos teve nova redução em setembro no RS e se mantém no menor patamar de toda a série histórica de contabilização, iniciada em 2002. Foram 365 ocorrências, uma queda de 27,1% frente as 501 do mesmo mês no ano passado. No acumulado desde janeiro, a redução é ainda maior, de 43,2%, passando de 6.540 casos para 3.713 na comparação de período deste ano com anterior. Os dados integram os indicadores criminais divulgados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP) nesta sexta-feira (15/10).

“Mês após mês aprofundamos a queda nos roubos de veículos, crime que impacta diretamente o cidadão, com trabalho de inteligência, integração das forças na troca de informações e investimento em tecnologia especializada. É o retrato do nosso objetivo com o RS Seguro, em proporcionar um Estado melhor para se viver”, afirmou o vice-governador e secretário da SSP, delegado Ranolfo Vieira Júnior.

Setembro é o quinto mês seguido em que os roubos de veículos em todo o Estado ficam abaixo de 400, o que só havia ocorrido antes em novembro de 2020, já sob a vigência do RS Seguro. Dentro do programa, esse crime está entre os indicadores de monitoramento intensivo pela Gestão de Estatística em Segurança (GESeg) nos 23 municípios priorizados para a estratégia de combate à criminalidade. E o foco territorial se reflete nos resultados.

Esse conjunto de cidades foi responsável por 91% dos 2.827 roubos de veículos a menos no Estado, na comparação entre nove meses deste ano e do anterior. Ou seja, a cada 10 ocorrências reduzidas, nove deixaram de ser registradas nesse bloco de municípios. Dos 23, houve estabilidade ou queda em 21 – em 10 deles, a retração superou 40%.

A Capital, por exemplo, foi responsável por mais da metade (54%) da retração verificada em setembro em todo o Estado. Dos 136 roubos de veículos a menos no mês frente a igual período do ano passado, 74 deixaram de ocorrer em Porto Alegre. Os registros na cidade baixaram de 211 para 137, uma queda de 35,1%. No acumulado de nove meses, a queda foi ainda maior, de 48,1% passando de 2.770 em 2020 para 1.437 neste ano. Em ambos os recortes (mensal ou acumulado), os dados atuais são os menores das séries históricas, iniciadas em 2012.

Conforme as autoridades, junto ao foco territorial do RS Seguro, uma soma de políticas públicas tem sido decisiva para as reduções inéditas dos roubos de veículo. Um exemplo é a constante ampliação dos sistemas de videomonitoramento e cercamento eletrônico no Estado. Entre as ações do eixo de combate ao crime do RS Seguro, a SSP fomenta a implementação da tecnologia nos municípios, seja com recursos do Tesouro estadual, da prefeitura, com origem em convênios, emendas parlamentares ou Consulta Popular. No total, há em funcionamento no Estado aproximadamente 400 câmeras de cercamento eletrônico (para leitura de placas) e mais de 2,5 mil câmeras de videomonitoramento.

Outra política pública com impacto direto no combate aos assaltos a condutores é a Força-Tarefa Desmanches, que integra o trabalho de Brigada Militar (BM), Polícia Civil (PC), Corpo de Bombeiros Militar (CBMRS), Instituto-Geral de Perícias (IGP) e Departamento Estadual de Trânsito (DetranRS). Criada em 2016 e ampliada ao longo dos anos, a Operação Desmanche aprimorou o combate à receptação e ao desmonte de veículos roubados, impedindo que estabelecimentos irregulares ou que vendam peças sem origem identificada continuem em funcionamento. Até hoje, a ofensiva já teve 99 edições, visitou 53 municípios, realizou 74 prisões, interditou 148 estabelecimentos e apreendeu 7,4 mil toneladas de sucata sem procedência confirmada.

Também colabora para encolher o mercado ilegal o site Peça Legal (detran.rs.gov.br/pecalegal), que possibilita a consulta de peças usadas disponíveis para compra nos Centros de Desmanche de Veículos (CDVs) credenciados. A ferramenta permite pesquisar entre as mais de 8 milhões de peças em estoque por tipo de veículo (carros, motos, caminhões, ônibus e outros), pelo nome do item e também pelo modelo do automóvel. As peças comercializadas por estes estabelecimentos têm rastreabilidade de origem e respeitam critérios técnicos de segurança e normas ambientais para a sua seleção.

O impacto da redução dos assaltos a condutores também se destaca na relação com o tamanho da frota no Estado. Enquanto os roubos de veículos, no acumulado de janeiro a setembro, reduziram 72% nos últimos cinco anos, o número de automotores em circulação no RS cresceu 13% no mesmo intervalo, com acréscimo de quase 1 milhão de unidades emplacadas. Esse cenário já tem reflexo positivo, inclusive, no bolso dos motoristas. No último ano, o preço dos seguros já teve uma retração, em média, de 12%, conforme o Sindicato das Empresas de Seguros Privados, de Resseguros e de Capitalização.

Homicídios sobem em setembro, mas acumulado do ano segue o menor da década

O número de vítimas de homicídios no Rio Grande do Sul sofreu acréscimo em setembro, em relação ao mesmo mês do ano passado. O indicador passou de 111 óbitos para 125 (12,6%).
O resultado não modificou, contudo, o cenário no acumulado com as reduções verificadas desde janeiro. A comparação do intervalo de nove meses mostra queda de 1.377 vítimas, no ano passado, para 1.172, uma retração de 14,9% e o menor total desde 2006.

Conforme as autoridades, uma das razões para a alta verificada em setembro é a baixa base de comparação, já que o nono mês de 2020 foi justamente o período em que o Estado atingiu menor marca de homicídios no ano passado. O total atual de 125 vítimas ainda é o segundo menor da série histórica para o mês desde 2009 e o terceiro mais baixo entre os nove meses de janeiro até agora. Além disso, de acordo com a diretora do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), delegada Vanessa Pitrez, as apurações dos fatos indicam maior presença de homicídios que não têm ligação com outras práticas delituosas e que são, por essa razão, mais difíceis de se prevenir.

“Percebemos uma ampliação, especialmente no Interior, mas em medida também significativa na Região Metropolitana, dos homicídios que classificamos como ‘fatos da vida’, aqueles com algum componente emocional, resultantes de uma briga, uma desavença anterior ou mesmo um desentendimento episódico que acaba terminando em morte. A ação preventiva nesse tipo de crime fica praticamente impossibilitada, diferentemente das estratégias que traçamos, por meio do RS Seguro, para antecipar movimentos relacionados a conflitos do tráfico e outros delitos. De qualquer forma, seguimos com empenho total nas investigações de todos esses fatos e temos excelentes resultados. Nossa média gira em torno de 70% de elucidação, o que retira das ruas homicidas potenciais e, sem dúvida, têm impacto para a redução que alcançamos no cenário acumulado”, afirmou a delegada Vanessa.

“Ao alcançar as reduções inéditas que obtivemos ao longo dos últimos dois anos, temos presente que fica cada vez maior o desafio de seguirmos diminuindo os crimes para níveis ainda menores, como se viu agora frente a esse recorde histórico de setembro do ano passado. Mas seguimos trabalhando forte nessa missão e já podemos dizer que, nessa primeira quinzena de outubro, retomamos a tendência de queda verificada ao longo de todo o ano”, afirmou o vice-governador Ranolfo.

Comunidade Polícia_em_Foco