Mortes diárias por covid-19 no Brasil já superam o total da população de Pedras Altas

Mortes diárias por covid-19 no Brasil já superam o total da população de Pedras Altas

UTIs no RS registraram fila de espera de 504 pacientes

Foto: Divulgação / Expresso Pampa

A extensão e gravidade da atual fase da pandemia por coronavírus no Brasil é sem precedentes. Dados de pesquisa realizada pelo Expresso Pampa mostram que em dois dias seguidos, o País registrou mais de 2,2 mil mortes relacionadas à ação do vírus SARS-CoV-2. Isso quer dizer que em 48h, o Brasil perdeu mais que o dobro de pessoas para a covid-19 se comparado ao total da população estimada pelo IBGE para o município de Pedras Altas – 1.954 habitantes.  Na ponta do lápis, isso equivale a mais de nove vezes as mortes decorrentes do incêndio na boate Kiss (242), a cada 24 horas.

Em um ano de pandemia, somente o RS acumula um número de vítimas associadas à covid-19 – 14.363 óbitos – superior à população de municípios como Aceguá (4.942 habitantes), Candiota (9.647), Hulha Negra (6.836) e Lavras do Sul (7.444). Para efeitos de comparação, os dados estaduais já seriam equivalentes a mais de duas vezes às populações de Aceguá e Hulha Negra, caso as mortes se concentrassem somente nesses dois municípios. Isso quer dizer em uma situação de extrapolação dos números, os dados indicam taxativamente que a pandemia no RS equivaleria ao vírus SARS-CoV-2 ter matado mais de duas vezes todos os habitantes destes dois destinos, sem deixar uma única pessoa viva em um território de 2.370,855 quilômetros quadrados, maior que a extensão territorial de países como o Bahrein e São Tomé e Príncipe.

Colapso

Na manhã deste 12 de março de 2021, dados da Secretaria Estadual da Saúde apontam que 504 pacientes aguardam por leitos de Terapia Intensiva em todo o RS, o que qualifica a situação como colapso do sistema de saúde. Ironicamente, ontem, o ministro da Saúde brasileiro, Eduardo Pazzuelo, bravateou que não existiam hospitais em situação de colapso em nenhum lugar do País, e que também isso não iria acontecer, em completa contradição ao que se observa na realidade.

Fracasso absoluto e incontestável

Já em relação à atual crise enfrentada pelo Brasil diante do fracasso em conter a contaminação fica clara quando se observam os números: somente nos últimos 10 dias, o País já perdeu mais de 10 mil pessoas para a doença, com boa parte da rede hospitalar em colapso em 21 das 27 unidades da Federação, sem condições de receber ou atender de forma adequada os pacientes vítimas de contágio por coronavírus, ou mesmo por outras enfermidades.

Mas, por quê? Mesmo após um ano desde o início da pandemia por coronavírus, a cobertura diária da imprensa e indicações claras dos procedimentos para conter o avanço, o Brasil jamais adotou qualquer medida séria e unificada em âmbito nacional para o enfrentamento da crise. Isso se traduz no número de vidas perdidas. De acordo com a Universidade Johns Hopkins, o Brasil hoje é o maior foco de contaminação e mortes diárias pela doença no Mundo.

– O primeiro caso de covid-19 no Brasil foi notificado há 379 dias, em 25 de fevereiro de 2020. Desde então, o país registrou 11.277.717 casos e 272.889 mortes.

Dados bageenses

Bagé, o maior município da região em termos populacionais, registrou nesta manhã (12 de março de 2021) o 99º óbito associado à covid-19 e no momento está em 23º lugar entre os municípios do Estado com mais mortes pela doença. Em relação à região, que acumula 131 vidas perdidas para o coronavírus, praticamente oito em cada dez pessoas que morreram eram residentes em Bagé.

Prestes a registrar a 100ª morte pela covid, a cidade poderá também ser o 23º município a entrar para o triste grupo de destinos gaúchos que superaram os 100 óbitos pela doença, isso sem contar os pacientes de outras regiões que também perderam a vida internados nos dois hospitais da cidade.

Entre as vítimas no município, 46,46% eram homens, enquanto 53,53% eram do sexo feminino, até o momento. Por outro lado, dados da Prefeitura indicam que 4.358 pessoas conseguiram superar a doença.

Porém, se comparado a dados mundiais atualizados também pela Universidade Johns Hopkins, não existem razões para comemorar. Isso porque o número acumulado de mortes até o momento somente na Rainha da Fronteira (99) é superior a países inteiros, como Tailândia (85 óbitos notificados) e Vietnã (35 mortes). Para efeito de comparação, se Bagé fosse um país, estaria entre Guiné (101) e Guiné Equatorial (98) no número de perda de vidas, além de equivaler ao 144º lugar em óbitos, entre 192 países e territórios no Mundo.

Estado

Por sua vez, o Rio Grande do Sul tem um histórico ainda mais vergonhoso no que diz respeito à eficiência em conter a pandemia: se fosse um país, os dados revelam que a covid-19 já matou mais gaúchos que os habitantes de países como Iraque (13 671 óbitos), Paquistão (13 430) e Suécia (13 111), além de assumir a desonrosa posição de 29º lugar entre 192 países. O Brasil permanece como segundo lugar, atrás apenas dos Estados Unidos da América.

Capa Cidades Comunidade Covid-19