Pesquisa identifica duas variantes mais comuns do vírus SARS-CoV-2 na região

Pesquisa identifica duas variantes mais comuns do vírus SARS-CoV-2 na região

A Secretaria Estadual da Saúde divulgou documentação baseada nos testes positivos para a covid-19 no Rio Grande do Sul e detectou duas variantes do vírus em circulação entre as populações dos municípios da região. A reportagem do Expresso Pampa acessou o documento que detalha as cerca de 20 linhagens mais comuns presentes no RS.

De acordo com o estudo, as linhagens do vírus causador da covid-19 identificadas nas amostras enviadas pelos municípios da região da 7ª Coordenadoria Regional de Saúde (7ªCRS) ao Laboratório Central do Estado (Lacen/SES-RS) são a B.1.1.33, que segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), já foi identificada em todos os continentes, sendo comum na América do Sul; além da B.1.1.143, também uma das mais comuns no Brasil.

O documento ainda detalha que as variantes com maior risco aos pacientes ainda não teriam sido detectadas na região, porém, com o alto número de contaminações em todo o país, caso não sejam implementadas medidas rígidas de contenção, é provável que também atinjam a região, que já está com os sistemas de saúde sobrecarregados.

– Apesar do elevado número de linhagens circulantes, apenas algumas linhagens específicas preocupam quanto a alterações no comportamento do vírus. Atualmente, há três variantes principais do novo coronavírus no mundo que são consideradas de preocupação.

B.1.1.7 – variante do Reino Unido

Detectada pela primeira vez em setembro de 2020 no Reino Unido, tem uma maior transmissibilidade, uma possível maior severidade da doença e pode escapar dos anticorpos produzidos por algumas vacinas. No Brasil, há registro dessa variante estados brasileiros e no Distrito Federal.

B.1.351 – conhecida como variante da África do Sul

Detectada pela primeira vez em outubro de 2020 na África do Sul, tem uma maior transmissibilidade e alguns estudos já demonstraram uma possível diminuição da eficácia de diferentes vacinas contra essa variante. Não há registros dessa variante no Brasil.

P.1 – conhecida como variante de Manaus

Inicialmente detectada em novembro de 2020 em Manaus, estudos demonstraram maior transmissibilidade dessa linhagem e a capacidade de evadir da resposta imune de indivíduos previamente infectados pelo SARS-CoV-2. Atualmente, há registros da presença da variante P.1 em 16 estados brasileiros, incluído o Rio Grande do Sul.

No país, já foram identificadas 38 diferentes linhagens do vírus e ao menos 20 delas já foram detectadas pelo Lacen como as mais comuns em circulação no RS.

O documento ainda detalha que a mais temida entre as linhagens atuais em circulação no Brasil, a P.1, já está em estágio de circulação comunitária na região Metropolitana e na região das Hortênsias – Gramado, Canela, Nova Petrópolis, Picada Café, São Francisco de Paula e Caxias do Sul.

+Saúde Capa Cidades Comunidade Covid-19